Os dez erros mais comuns com os recém-nascidos

 

Os dez erros mais comuns com os recém-nascidos

Quando nasce o bebê, tudo é felicidade. Como marinheiros de primeira viagem, vamos tateando e aprendendo a como cuidar de nosso filho apesar de eventuais erros. Contudo, se soubermos o que evitar, tanto melhor. O importante é não se desesperar e desfrutar deste grande momento da vida.

Segue abaixo os dez erros mais comuns.

Aprendendo a ser papai e mamãe:

1º) Agasalhar demais o nenê – Os recém-nascidos não têm um bom controle da temperatura, que pode cair e levar a que se resfriem. Nem por isso vamos cobri-los exageradamente porque o suor demasiado é prejudicial. Se a temperatura ambiente estiver ao redor de 24º, vista o bebê com um body ou macacãozinho de algodão, cobrindo-lhe os pés.

Caso o bebê sinta frio é no peito que a temperatura mais baixa será notada, além de pés e mãos, que ficarão com o aspecto mais amarrotado. Neste caso, sim, será preciso agasalhá-los mais. Já se estiverem transpirando na cabeça e pescoço, será preciso remover camadas de roupas.

2º) A ideia de que, enquanto a criança estiver adormecida durante o dia, deve-se manter a casa em silêncio.

A partir de um mês e meio de idade, o bebê começa a perceber os ciclos de luz e escuridão, passando a estar mais predisposto a dormir à noite. Assim, convém acostumá-lo a perceber a luz do sol e os ruídos normais da casa durante o dia. Se o silêncio for total, qualquer barulhinho que houver o deixará sobressaltado e o deixará mais propenso a acordar.

3º) Trocar o bebê de seio antes de terminar de mamar não convém, pois o restinho de leite de peito é o que contém maior teor de graxos e, portanto, o que mais sustenta. Como saber quando o nenê esvaziou totalmente o seio? Quando este estiver bem murcho. Para que o aleitamento seja bom é preciso esvaziar ambos os seios.

4º) Colocar o bebê na cama do casal para dormir. Cuidado! Ele pode ser esmagado e morrer por asfixia! Isto, sem falar no fato de que a criança se acostuma e não quer mais voltar a dormir na sua própria caminha.

5º) Deixar-se guiar pelo que dizem as avós e outra mães com prevalência do que diz o pediatra é um erro. Afinal, ele é a pessoa mais experiente. Ou seja, convém não duvidar de suas recomendações.

6º) É evidente que tudo ao redor do bebê deve estar o mais limpo possível. Contudo, a esterilização em excesso é prejudicial, pois impede que a criança tenha contato com bactérias cuja ação será necessária para que desenvolva suas próprias defesas. Isto não quer dizer que a exposição venha a ser demasiada, ao ponto do bebê padecer de infecção por contágio. Nos casos de prematuros, todos os cuidados com a higiene são poucos, principalmente nas primeiras semanas de vida.

7º) Em virtude da camada protetora de graxos que recobre a pele do bebê, não convém dar banho várias vezes ao dia, um banho está ótimo, há inclusive quem defenda que os bebês só devem tomar banho de 2 a 3 vezes por semana Naturalmente, isto dependerá de uma ótima higiene a cada troca de fraldas.

8º) A ideia de que ninguém pode tocar no bebê é falsa. Ao contrário, o contato com parentes, familiares e amigos é bom, exceto no caso da pessoa estar doente, pois pode acabar contagiando o pequeno.

9º) Não convém raspar a cabeça do nenê imaginando que os cabelos crescerão mais fortes. O que, sim, pode ocorrer, é perda de temperatura corporal caso ele ainda seja muito pequeno.

10º) Bancar a “supermãe”: o parto e os cuidados com o mais novo membro da família requerem enormes esforços físicos e mentais. Entretanto, ao se sentir cansada demais a mamãe deve pedir ajuda para alguém que confia, pois é preciso estar bem para produzir leite e cuidar do seu bebê com todo o amor e carinho.

Voltar