Depoimentos

Home > Depoimentos

Não tenho como descrever a imensa gratidão que tenho pelos cuidados dessa equipe maravilhosa. A família do BCU Fortaleza esteve presente nos momentos mais lindos e importantes das nossas vidas (a chegada dos nossos pequenos). Vocês estiveram ao nosso lado na concretização do sonho de formar uma família e hoje vocês fazem parte da nossa história. Muito obrigada a todos pela paciência, carinho, dedicação e por nos receber sempre tão bem em sua “casa”. Gostaria de agradecer pelos “minos” que deram aos meus filhos. É de uma delicadeza sem tamanho e com o nome deles personalizado então… Fiquei toda derretida! Parabéns pelo profissionalismo da empresa!

Letícia e Antonio, pais da Ranna e do Rael

Perfeito! Não tenho palavras pra descrever a pontualidade e disponibilidade da equipe BCU. Mesmo sem ser o dia, sendo de madrugada, eu cheguei na maternidade e eles já estavam lá atenciosos, carismáticos e super profissionais. Adorei e indico!

Cidianne e Victor, pais de Sohia

A Dra. Karla Cavalcanti foi muito amiga, companheira e profissional. O BCU está de parabéns pelo belo trabalho e pelos profissionais que possuem. Obrigado pelo carinho e atenção.

Brena e Alfredo, pais de Marina

Começamos a pesquisar se o meu corpo estava bem para gerar uma vida. Na realidade, inicialmente, era uma vida, se fossem duas eu estaria no lucro demais e graças a Deus veio a Gabriela e a Isabela. Então procurei um especialista em reprodução assistida e um obstetra para acompanhar a chegada delas. Mais do de qualquer outra coisa, nós buscávamos algo que pudessem ajudá-las no futuro e minimizasse qualquer tipo de sofrimento. Foi aí que conhecemos o Banco de Cordão Umbilical – BCU e toda a equipe de Fortaleza. Contratamos o serviço de coleta e armazenamento das células-tronco do cordão umbilical, pois representam um seguro de vida para as minhas filhas. Infelizmente o assunto ainda é pouco difundido. Elas podem representar a cura de várias patologias para as meninas ou para algum familiar. É bem melhor a gente trabalhar com a prevenção!

Ricardo e Suiany, pais de Isabela e Gabriela

Recebemos em nossa casa a equipe do BCU Fortaleza, representada pela Dra. Karla Cavalcanti. Quero agradecer ao BCU, na pessoa do Dr. Fabricio Martins, pela atenção dispensada antes, durante e após o nascimento do nosso filho. Vocês estão de parabéns pelo profissionalismo na condução desse importante trabalho.”

Antônio Carlos e Maria de Jesus, pais do Arthur

Em fevereiro de 2010 descobri-me portadora de mieloma múltiplo, atualmente diagnosticado como sendo uma gamopatia monoclonal de significado indeterminado, pois, não tenho manifestação dos sintomas.  Em outras palavras… “CANCÊR”…

Nossa, isso foi um choque, achei que estava com meus dias contados.

Estava com 32 anos e me dedicava por completo aos estudos e ao trabalho. Apesar de já namorar um bom tempo não me tinha dado conta do tempo passando… Em como é importante a família na vida da gente. Não pensava em ter filhos, mas a ideia de não mais poder tê-los me machucou bastante. Sempre gostei de crianças. Gostaria de poder ter tido filhos, vivido mais as coisas que de fato me preenchiam o coração, como o amor daqueles que eram tão queridos.

Para mim a escolha de armazenar o sangue do cordão umbilical, constituía-se em uma verdadeira obrigatoriedade, por se caracterizar como uma espécie de seguro de vida, não só para meu filhinho como também para mim.

Na dúvida entre diferentes Bancos de Armazenamento, optei pelo BCU, ante seu histórico de credibilidade e principalmente pelo carinho e atenção incondicional que recebi das pessoas que me atenderam, em especial a Vanessa, com quem até hoje entro em contato para resolver todos os problemas.

E assim foi… Tive uma gravidez tranquila, recheada por alguns cuidados extras por parte da Dra. Karla e do Dr. Guilherme Genovez (meus anjos por aqui), o André Luiz nasceu forte, saudável e muito inteligente. A bolsa rompeu em plena madrugada… Antes da data prevista para o parto… E para minha surpresa, antes de mim, chegou na maternidade a enfermeira que iria fazer a coleta e pouco depois lá estava a Vanessa.

Espero que meu depoimento sirva para alertar àqueles que julgam ser besteira efetuar a coleta e o armazenamento do sangue do cordão umbilical; pois de uma hora para outra tudo pode mudar na vida de qualquer um de nós, e apesar da medicina estar muito avançada, para podermos gozar desses avanços é necessário que possibilitemos a maior disponibilidade possível de ferramentas, e, em minha opinião, as células-tronco serão uma ferramenta fundamental para a solução de diversos males em um futuro bem próximo.

Atualmente estou super bem, meu diagnóstico, como já falei é de ”Gamopatia Monoclonal de Significado Indeterminado”, pois apesar de ter um percentual de células “ruins” no meu sangue, elas não conseguem prejudicar meu organismo.

Ah! E só para finalizar…

Nesta semana voltei a entrar em contato com a Vanessa, que aliás, até hoje permanece sendo a mesma pessoa atenciosa e querida de antes, e adivinhem só… Tem mais um bebezinho chegando na área para fazer companhia ao André Luiz!

 

Elizandra e Carlos. Papais do André Luiz e da Ana Karla.

Logo no início da minha gravidez, minha irmã começou a pesquisar sobre a coleta de células-tronco, confesso que apesar de já ter ouvido falar sobre o assunto, jamais passou pela minha cabeça realizar tal coleta, por falta de informação e por desconhecer tamanha importância. Lembro ainda que no começo achei bobagem, caro e não dei muita importância.  Mesmo assim, a titia tão dedicada não desistiu, continuou buscando as informações e me enviando. Comecei a ler sobre o assunto e então, entender a grandeza desse ato, entender que seria a atitude mais correta que poderia tomar e o melhor presente que poderia dar para minha princesa. Presente o qual, não poderíamos medir valor, pois entendemos que a vida da nossa filha valia muito mais. Claro, torcemos para que ela nunca precise usar desse material, costumo brincar, dizendo: “que seja um dinheiro jogado fora”.

Durante esse tempo que minha irmã buscava todas as informações, o BCU foi maravilhoso, em especial, a Vanessa, que desde o começo nos atendeu com todo amor, carinho, paciência e dedicação. Tivemos milhares de dúvidas e ela, sempre nos ajudou a esclarecer todas.  Muitas vezes pensamos em não realizar a coleta, devido ao valor ser alto, mas a Vanessa não nos deixou desistir, manteve contato sempre nos orientando e mostrando a cada dia o quanto seria importante.

Buscamos essas informações em outras empresas, que nos ofereceram valores menores pela coleta, porém, desde o começo, não sentimos confiança, e nenhuma nos tratou com tanto carinho e dedicação como a Vanessa. Imagina, quando abrimos o jogo com ela que não tínhamos condições de realizar a coleta, aí sim que ela se empenhou mais, fez de tudo para nos ajudar. Com tamanho esforço, não poderíamos mudar de ideia, demos um jeito e tomamos a decisão mais importante, a coleta.
Vanessa nos orientou também a importância de fecharmos o contrato com um tempo hábil, para que ela pudesse nos enviar o kit de coleta, infelizmente, não foi o que aconteceu. Eu claro, na correria dos últimos dias, deixei para última hora e então o susto. Minha princesa resolveu nascer antes da hora. Estava marcado para dia 13/04 e eu tinha fechado com a Vanessa no dia 11 e a Amanda resolveu nascer na madrugada do dia 12, brinquei com a Vanessa ainda, que ela recusou-se a nascer em uma sexta-feira 13.

Nesse dia, tive a certeza de ter feito o negócio certo, fechado com a BCU, pois com certeza, nenhuma das outras empresas fariam por nós o que a Vanessa fez. Liguei para ela 4:30h da manhã, a caminho da maternidade, quando minha bolsa, inesperadamente estourou. Desesperada, pois sabia que sem o kit não poderia coletar o material e o tempo não era mais a meu favor.

Obrigada senhor, por nos presentear com essa benção que é nossa tão sonhada, desejada e esperada princesinha, Amanda.

Também não poderíamos deixar de agradecer a Deus por colocar em nossos caminhos pessoas abençoadas, dedicadas como as da empresa BCU, em especial, a Vanessa. Obrigada querida, por todo carinho que teve conosco sempre. Antes, durante e depois do parto. Mesmo hoje, três meses depois, ainda é presente em nossas vidas.

Fica aqui um importante recado aos futuros papais:

Sei que apesar do tempo de existência desse trabalho, ainda é pouco conhecido e compreendido por todos, por isso, não deixem de buscar quantas informações forem necessárias, para que possam tomar, como nós, uma importante decisão, de coletar material do cordão umbilical de seus filhos, dando a eles, se um dia necessário,  uma chance a mais de ter esperança de continuar alegrando nossas vidas. Não tem preço, com certeza, uma atitude dessas.”

 

 

Francine e Marcos Antonio. Papais da Amanda.

Em 27/08/2009 através de um ultrasson no meu ginecologista, confirmou minhas suspeitas, a felicidade foi enorme, enfim realizaríamos nosso sonho e de nossa filha. Em dezembro de 2009 soubemos que seria uma menina, então a Ana Clara já havia escolhido o nome da maninha “Vitória” e somente alguns meses depois fomos entender o verdadeiro significado desse nome para nossas vidas.

Em janeiro de 2010 estávamos muito felizes e eu com um barrigão de 6 meses, fomos viajar e durante a viagem nossa filha Ana Clara estava se queixando de canseira. Quando retornamos da viagem, apareceram mais sinais de que a Ana Clara não estava bem, febre, continuava pálida, ainda queixava-se de cansaço, caía com facilidade, então fizemos uma consulta na emergência do Hospital da cidade, pois já fazia 3 dias que estava com febre e pedimos para que o médico solicitasse um hemograma, sempre pensando que era para desencargo de consciência. Em 05/02/2010 foi então que nosso mundo desabou, o diagnóstico ainda que precisava de mais exames a ser confirmado, LEUCEMIA. Ela teria que ficar internada e fazer transfusão de sangue, pois estava com anemia profunda por causa da doença.

Eu não aceitava que minha filha querida, amada, pudesse ter uma doença tão séria. Chorei muito. Estava grávida de 7 meses, mas tínhamos que cuidar da saúde dela. Como na nossa cidade não tem tratamento fomos encaminhados primeiramente a Lages, aqui em SC mesmo, a uns 200 Km de Videira e depois a Florianópolis, que fica 400 Km de distância, para o Hospital Infantil Joana de Gusmão, onde através de outros exames inclusive punção da medula óssea, foi confirmado que ela possuía LEUCEMIA LLA Tipo B, que ainda por pior que fosse, graças a Deus, é o tipo mais comum e com maiores chances de cura. Que a princípio somente com quimioterapia seria o suficiente, sem a necessidade de transplante, mas mesmo assim já começamos a cogitar a ideia de armazenar o cordão umbilical da Vitória, para que se precisássemos no futuro estaria garantido.

As médicas do hospital até buscaram informações para nós sobre o banco de cordão público, mas não ficaria à disposição nem da Vitória e nem da Ana Clara que era nossa maior preocupação, então decidimos que procuraríamos um Banco de cordão particular.

Recomendamos aos futuros papais que coletem o sangue do cordão umbilical e armazenem em algum banco particular, pois a medicina está avançando a cada dia e se acaso no futuro surgir um imprevisto, existe uma esperança, pois uma vida não tem preço. Nós, como pais, sabemos o que é o medo de perder um filho, e faríamos muito mais por ela. Recomendamos também o BCU pois fomos muito bem tratados, com muita atenção e carinho.

 

Sidecler e Vanderlei. Papais da Vitória.

A opção pela coleta do sangue foi por indicação de uma amiga de trabalho, e também antes de engravidar já tinha ouvido falar sobre o assunto, e sempre achei muito importante esta possibilidade.

Então fiz contato com a Vanessa da BCU Brasil do escritório em Florianópolis, que fui muito bem atendida e conduzida até a assinatura do contrato. A indicação foi da minha médica, como as referências eram ótimas, não tive dúvidas de que faria a coleta com uma empresa segura.

Minha bolsa estourou em casa, estávamos assistindo TV, eram 22:40 do dia 22/03/2011, foi uma correria, por sorte estava tudo organizado para maternidade. Vestimos a primeira roupa que veio à frente, e no caminho fui ligando para meus familiares e para Vanessa do BCU, em menos de 40 minutos ela chegou na maternidade, e se prontificou em tirar as fotinhos do parto.

Mirian e Claubert. Papais da Cecília.

“Nunca é tarde para se fazer justiça a momentos mais que especiais. E pra quem pensa que “mais que especiais” é força de expressão, fique então claro que falo do nascimento da nossa primeira filha, Luiza. O momento especial por excelência, portanto. A madrugada de 23 de dezembro de 2010 começou com o susto de uma bolsa rompida por volta das três da manhã, mas se desenrolou de forma que nem nos melhores planos teríamos roteirizado, até quando às 8:33 viemos a conhecer nossa menininha que em menos de um mês completará 6 anos. Nesse meio tempo, um atendimento como nunca recebi na vida inteira. Sem exagero. Nunca recebi como aquele. Foco no cliente de verdade, e não apenas um discurso de aula de faculdade (ou palestra) sobre o tema. Atendimento em forma de pessoas reais, Vanessa e sua mãe, representando a empresa de que fazem parte, a BCU, e com uma capacidade/habilidade incrível de entender a necessidade do cliente e agir imediatamente na sua solução. Nós já estávamos decididos a fazer a coleta do sangue do cordão umbilical da Luiza, mas o “Brazilian mode on” nos fez ir deixando, ir deixando e… a bolsa rompeu. No caminho da Santa Helena (maternidade em Fpolis), portanto, fiz a ligação, mas confesso que “certo” de que sequer iriam me atender. Caramba, eram três e meia da manhã!!! Pensa a frustração iminente de quem esteva querendo ter esse seguro (Outro “caramba”: a gente faz seguro pra carro, não vai então fazer pra sua própria filha, por um custo anual menor que o seguro de um carro? Sorry, mas pra nós o não é sem sentido). Do outro lado da linha, contudo, uma pessoa de verdade (Vanessa) na forma de anjo. Importante registrar, contudo: não acredito em anjos, mas falo daquilo que simbolicamente representam, ou seja, acolhimento, presença, proteção. Percebi até mesmo o sorriso “visível” do outro lado da linha, na vontade de nos atender (sim, às três e meia da manhã!). Se ainda parece exagero, então fique claro que ambas já estavam na Santa Helena antes de nós chegarmos. Incrível. E não só nos tranquilizaram quanto ao “objeto da prestação de serviço” que realizam, mas também com a experiência que têm de acompanhar tantos partos e, nesse sentido, de terem nos passado ainda mais tranquilidade, e sem invasividade (presença, mesmo). Enfim, foram companhias muito especiais e primeiras testemunhas de um dos momentos mais importantes da vida da gente, junto da chegada da Emanuela (in memoriam) e da Julia, estas já aqui em Boston. O próximo dia 23/12 (2016) será, como dito, dia para celebrarmos os 6 anos da nossa menininha Luiza (sim, estou me referindo à canção do Toquinho e do Vinícius), mas também para renovarmos por mais alguns anos a armazenagem da coleta feita quando ela nasceu. Diante do relato que demorei quase seis anos pra fazer (mas, como dito, nunca é tarde pra ser justo com esses momentos e essas pessoas – e empresas, sem dúvida), parece desnecessário perguntar, portanto, se iremos renovar essa armazenagem, e se recomendamos a BCU Fpolis para todos os futuros pais e mães, correto? Aqui vale a famosa expressão “de olhos fechados”. Longa vida a essa empresa que encarna de forma única aquilo que em marketing se chama de foco no cliente.”

(Klaus Raupp, papai da Luiza, que coletou suas células-tronco com o BCU Brasil e papai também da Emanuela (in memoriam) e da Julia (que coletou suas CT nos EUA)).